PASTORAL FÉ E POLÍTICA

Arquidiocese de São Paulo

ptarzh-CNenfrdehiitjarues

Temos 195 visitantes e Nenhum membro online

O que Devemos Fazer?

Esta interrogação contida no versículo do Evangelho (Lc 3,10-11) de domingo, dia 16 de dezembro, reflete alguns dos atuais momentos, onde os leigos motivados pela Palavra, tentam ser protagonistas através da evangelização. E conseguem! Embora às duras penas. Por este motivo é importante compartilhar algumas experiências.

logo-dio-piracicabaA Pastoral Serviço e Caridade (PASCA), da Diocese de Piracicaba, tem sentido bem o que significa ir à luta para incentivar o exercício das três dimensões sócio-transformadoras: a assistencial, a da promoção humana e a libertadora. Neste sentido em 2011 participou junto com outras entidades da 1ª CONSOCIAL. Em 9 de dezembro de 2011, das 9h as 13h, o mesmo grupo de entidades participou de uma manifestação em comemoração ao “Dia do Basta a Corrupção”. Em 2 de junho de 2012, no trabalho conjunto com as demais entidades, numa reunião foi discutido o aumento exagerado no subsídio dos vereadores, dali surgindo a ideia de um movimento contrário que foi denominado REAJA PIRACICABA. Nominado o movimento, no dia 1º de agosto de 2012, dia do aniversário de Piracicaba, pela primeira vez realizaram um manifesto em frente à Câmara Municipal. Deste manifesto surgiu a ideia de um Projeto de Iniciativa Popular, onde a PASCA faria a coleta de assinaturas nas paróquias, com pleno conhecimento do coordenador diocesano da Pastoral – pe. Cido. E a iniciativa da coleta de assinaturas foi muito boa, gerando enorme repercussão na cidade e despertando interesse jornalístico da EPTV que dedicou bom espaço em seu telejornal na divulgação desta ação.

Também recebeu apoio de outras cidades – como de Jundiaí, que no mês de março de 2012 numa ação conjunta da Pastoral Fé e Política e outras entidades da sociedade civil, conseguiram sustar o aumento de 63% pleiteado pelos vereadores de Jundiaí. Também tomou conhecimento da suspensão do aumento de 126% pleiteado pelos vereadores de Campinas, no mês de julho. Como toda ação tem uma reação; a Câmara Municipal de Piracicaba, em retaliação ao movimento ameaçou acabar com dois feriados religiosos da cidade: o do dia de Santo Antonio e a festa da Imaculada Conceição. E não parou só nestas ameaças, detonou o assunto na mídia piracicabana com forte ataque à Igreja. Por exemplo: no dia 5 de dezembro o Jornal de Piracicaba – edição 39083, na capa traz a manchete: “LEITURA DA BÍBLIA MOTIVA CONSULTA ECUMÊNICA”, onde em certo ponto diz: ... “A Casa já se reuniu com os pastores evangélicos e aguarda apontamento da Diocese sobre a retirada de símbolos religiosos do plenário, no caso o crucifixo e a leitura da Bíblia durante a sessão” ...

No caderno Cidade – pág A4, com a manchete: “CÂMARA FAZ CONSULTA ECUMÊNICA E AGUARDA POSIÇÃO DO BISPO”, traz extensa matéria com considerações a uma carta enviada pelo presidente Câmara – vereador João Manoel dos Santos (PTB), endereçada ao bispo Dom Fernando Mason e considerada ofensiva. A matéria traz um Box onde o especialista jurídico da UNIMEP – José Renato Martins, fala sobre a postura da Casa. Porém tudo que caminha para ser ruim, pode se tornar ainda pior, dias antes deste episódio, por ocasião de uma sessão da Casa, um servidor público presente – Sr. Regis Montero, foi retirado da Casa pela polícia, devido o mesmo ter se recusado a ficar em pé, quando da leitura da Bíblia. Nesta mesma edição, o Editorial com o título; “RESPEITO É FUNDAMENTAL”, fala destes impasses entre Igreja e Câmara.

No dia 6 de dezembro, o Jornal de Piracicaba – edição 39084 – pág A7 veicula matéria com a seguinte manchete: “DIOCESE CRITICA ATITUDE DA CÂMARA DE VEREADORES”, onde em extensa matéria a assessoria de comunicação da Diocese, refuta o teor da carta enviada ao bispo, pois com relação à retirada dos símbolos sagrados da Casa, os pastores já haviam se posicionado .. “o Cristo na parede não ofende a ninguém e a leitura da Palavra de Deus não é privilégio de pastores e padres e deve, sim, ser acolhida em pé”. Também nesta matéria há um Box onde a Cúria diz que a Câmara, deve resolver a questão “criada e agitada por ela mesma”. Mas nem tudo é tristeza: fruto das ações da PASCA com as outras entidades, no dia 5 de dezembro, na sede da OAB-Piracicaba, foi lançado o Observatório Cidadão de Piracicaba. O assunto foi destaque na caderno Cidade – pág A4, com a manchete: “OBSERVATÓRIO CIDADÃO SERÁ LANÇADO HOJJE ÀS 19H30 NA OAB”, o jornal A Tribuna de Piracicaba, do dia 6 de dezembro – pág 6, fala do lançamento com a seguinte manchete: “OBSERVATÓRIO CIDADÃO QUER ATENDER PÚBLICO ABRANGENTE”, e na pág 4, traz um excelente artigo do Antonio Osvaldo Storel – presidente da PASCA e coordenador do CNLB da Diocese de Piracicaba, com o título: “OBSERVATÓRIO: UM MARCO NA CIDADANIA”. Também o jornal Gazeta de Piracicaba – edição 1941, de 6 de dezembro em sua manchete de capa diz: “OBSERVATÓRIO INCENTIVA A PARTICIPAÇÃO POPULAR” e em extensa matéria na pág 6, traz a manchete: “SITE JÁ ESTÁ NO AR”.

logo-dio-jundiaiImportante lembrar também a presença no lançamento do Observatório do coordenador da Pastoral Fé e Política da Diocese de Jundiaí – Claudio Nascimento e do jornalista Reinaldo Oliveira – da Comissão de Comunicação do CNLB-SUL 1, que falaram da ação atuante e orgânica da Pastoral Fé e Política da Diocese de Jundiaí, que tem desenvolvido ações de cidadania, com trabalho de acompanhamento das Câmaras Municipais de Jundiaí, Itupeva, Várzea Paulista, Itu e Salto. Avançando mais para a conscientização cidadã no dia 8 de dezembro ministrou formação para novos agentes da Pastoral Fé e Política na paróquia Jesus de Nazaré – Distrito do Jacaré – Cabreuva.

E muitas outras ações já estão previstas para 2013. Em tudo isto cabe o questionamento: “O que devemos fazer ?” .... pois se na sociedade lá fora a desigualdade é terrível, o que fazer quando o inimigo está bem do nosso lado – um declarado que já sabemos: parte do clero, bom não generalizar: não são todos, mas tem um tanto que não ajuda, só atrapalha. Bem como também encontra-se dificuldades gritantes nos próprios organismos leigos onde há uma ditadura das presidências/diretorias – onde só se pode fazer o que for do agrado e, também imposição errática até para a comunicação, onde a imprensa comercial, muitas vezes é mais acessível do que a própria imprensa das dioceses, dos informativos, dos sites e blogs. Enfim: “O que devemos fazer?” Como disse Dom Pedro Casaldáliga, continuar a luta  “Pelo reino de Deus, no coração do mundo

 

Fonte: O artigo nos foi enviado diretamente pelo autor.

Reinaldo Oliveira

Reinaldo Oliveira
Reinaldo de Oliveira é jornalista, membro da Pastoral Fé e Política de Jundiaí e colaborador da Pastoral Fé e Política da Arquidiocese de São Paulo. Para falar com Reinaldo de Oliveira utilize nosso formulário de contato.