PASTORAL FÉ E POLÍTICA

Arquidiocese de São Paulo

ptarzh-CNenfrdehiitjarues

Temos 121 visitantes e Nenhum membro online

ANO A ANO

O tempo, ano a ano, nos ensina:
quem diz “cheguei ao fim” está no início!
No fim da gestação a mão divina
garante-nos a luz, tempo propício
pra virmos enxergar mais que neblina!

E vêm as estações, nos maturando.
De quatro em quatro delas – nosso ofício
é tudo cultivar! – vamos cantando
singelos parabéns, que são o indício
de estarmos preparados pra ir somando.

Até que assim nos chegue a última esquina:
e então é o grande abraço, o eterno quando!

LIÇÃO DE SER PERDÃO - NATAL VII

Menino, teu silêncio na chegada
desvenda-nos teu método na lida.
Não és de impor o rumo para a estrada,
mas és de clarear-nos a medida:
só o céu fecunda a paz nesta jornada!

E então o desafio é a contramão:
em vez de olhar cruel, mão estendida;
em vez de mão feroz, olhar de irmão;
em vez de lei sem dó, voz de acolhida;
em vez de voz que impõe, a mansidão!

Menino, coração que não se enfada!
Natal: lição que leva a ser perdão.

Cartilha do SUAS

Uma leitura de fácil compreensão.
Aqui vocês irão saber quem tem direito a Assistência social.
Toda a documentação necessária e quais os benefícios que vocês tem direito.

 

Clique aqui para acessar.

LIÇÃO DE SER LUCIDEZ - NATAL VI

Menino, mas que escolha tu fizeste!
Pautamos pela força o nosso ganho,
mas tu vens pequenino, assim quiseste;
buscamos ser destaque no rebanho,
mas dizes que servir é o melhor teste.

Sonhamos uma paz – com sensatez?
Sonhamo-la de um modo um tanto estranho:
sonhamo-la pra nós. Sem nitidez:
não sendo para todos, no tamanho,
é apenas ilusão, mais uma vez.

Menino, que o teu Reino nos conteste!
Natal: lição que chama à lucidez.

LIÇÃO DE SER AMOR - NATAL IX

Menino, muito simples teu roteiro,
e pleno, não exclui, jamais, ninguém:
o último é o que conta por primeiro;
coragem é ser bem, no mal e bem;
nobreza é ser da paz o jardineiro.

Se o troco para o mal revide for,
ficamos cada um como refém
do mal que oprime, trai, exclui, faz dor,
em vez de ao Novo abrir-nos – pois que vem
pedindo parceria, com vigor.

Menino, mãos à obra em teu canteiro!
Natal, lição pra todos: ser amor.

LIÇÃO DE SER LIBERDADE - NATAL V

Menino, és contramão de corte e reis.
Teus olhos miram fundo o nosso ser
e em vez de te pautares pelas leis
confirmas: “Só o amor tem o poder
de todos irmanar, vós não sabeis?”

Teus gestos: cada um, com densidade,
aponta-nos o novo amanhecer:
ninguém pisar ninguém, fraternidade;
ser próximo de todos, responder
a cada precisão com lealdade!

Menino, nos propões: “Que desperteis!”
Natal: lição de entrega e liberdade.

LIÇÃO DE SER FIRMEZA - NATAL VIII

Menino, te encontrar naquela gruta,
te ver como alijado do bem-vindo
é indício de um futuro de labuta.
Seria um paraíso claro e lindo
o mundo, se aguçássemos a escuta!

Tu chegas nos fazendo a gentileza
de vir como quem vê e vai ouvindo
primeiro os pequeninos, da pobreza,
tomando-os como crivo, nos abrindo
os olhos para a paz – eis tua empresa!

Menino, não recuas nessa luta!
Natal: lição que anima a ser firmeza

LIÇÃO DE SER PARTILHA - NATAL III

Menino, teu olhar não quer distância.
E nasces bem à beira do abandono,
bem lá, onde não chega a relevância...
Pastores do suor têm outro sono,
depois de visitarem tua infância.

Se os grandes te teceram armadilha,
o olhar dos pequeninos foi de abono
de quem viu no bem pouco a maravilha
da solidariedade, não de um trono.
Quem vem assim pequeno não humilha!

Menino, no teu pouco que abundância!
Natal: lição profunda de partilha.

LIÇÃO DE SER PERDÃO - NATAL VII

Menino, teu silêncio na chegada
desvenda-nos teu método na lida.
Não és de impor o rumo para a estrada,
mas és de clarear-nos a medida:
só o céu fecunda a paz nesta jornada!

E então o desafio é a contramão:
em vez de olhar cruel, mão estendida;
em vez de mão feroz, olhar de irmão;
em vez de lei sem dó, voz de acolhida;
em vez de voz que impõe, a mansidão!

Menino, coração que não se enfada!
Natal: lição que leva a ser perdão.

LIÇÃO DE SER SERVIÇO - NATAL II

Menino, tu nos chegas desarmado,
em meio à insegurança que vigora.
Fizeste a tua escolha: o melhor lado?
Te vejo tão sem nada neste agora!...
Mas és de surpreender, com teu recado.

Quem sofre, quem chorou... Não vens omisso:
teu jeito muito mais que colabora,
te inseres lá na dor, és compromisso
de erguer – eis que a esperança comemora! –,
de ser Irmão de luz, de trazer viço!

Menino, tu nos vens com tanto agrado!
Natal: lição de empenho e de serviço.