PASTORAL FÉ E POLÍTICA

Arquidiocese de São Paulo

ptarzh-CNenfrdehiitjarues

Temos 209 visitantes e Nenhum membro online

Encontro de Formação em Várzea Paulista

No dia 16 de junho a Pastoral Fé, Política e Cidadania, de Várzea Paulista, promoveu encontro de formação cujo tema foi “Salvação e Política”, com a presença de agentes das cidades de Cajamar, Cabreuva, Jundiaí e Salto.

No início da formação o padre Fernando Sartori, falou sobre a importância do tema que tenta unificar a fé e a prática de vida, pois a Pastoral Fé e Política precisa se preencher de Jesus Cristo para poder lutar por um mundo diferente. Logo após, apresentou o assessor para àquela formação, Fredericus Garcz e dizendo da importância da Igreja, como fonte de salvação em sua vida.

A partir deste momento Fredericus iniciou fazendo perguntas como: A política traz salvação ou é preciso salvar a política? Será que política e salvação combinam? Para exemplo falou sobre sua vida, desde seu nascimento na Romênia numa época em que o regime socialista imperava, bem como também a fome, o frio e o medo. As igrejas eram controladas, só podiam falar o que o Estado queria. Não havia liberdade cultural ou econômica, até mesmo as casas em que as famílias moravam pertenciam ao Estado. Os meios de comunicação - rádios e canais de televisão - eram confiscados. O que se produzia pertencia ao Estado, sendo que o governo pagava o que queria. A população morria de fome e de frio. Quem estava no poder, tinha privilégios. Seu pai entrou para a resistência e foi preso várias vezes, sendo que a última em 1973 e, após esse episódio decidiu que a família deveria fugir. Primeiro foram para a Hungria - também com regime socialista - onde ficaram escondidos na mata. Depois, foram para a Áustria, um país com liberdade, onde sofreram decepção, pois não foram acolhidos, foram presos e convidados a sair do país. Foi um tempo difícil, mas a família queria a salvação. Chegaram à Itália, onde foram presos e o governo fez contato com o da Romênia.

pfp-varzea-paulista-1A salvação começa aí, onde parecia que tudo chegaria ao fim. Um padre os convidou para vir ao Brasil, retirando-os como criminosos e colocando-os num navio de origem Finlandesa. Chegaram ao Brasil, sem documentos, no Porto de Santos, recebidos três instâncias: Polícia Federal, Consulado Romeno e a Igreja Católica – representada pelo bispo da cidade e padres Carlistas. Após muitas dificuldades, a igreja conseguiu suas estadias no Brasil; sendo recebidos na condição de refugiados, e tendo suas dignidades devolvidas pelo povo brasileiro. O sistema político não foi a salvação, mas pessoas de fé conseguem fazer com que ela aconteça. Após este momento, Fredericus continuou e citando uma frase de Espinosa: “a política resulta da luta social e tem a função de organizar a sociedade”, onde segundo Espinosa, o regime mais favorável é a Democracia, mas existem impedimentos para que a verdadeira Democracia aconteça. E citou alguns: idéias inadequadas - o preconceito nos impede de ter uma consciência política e a divisão social. Ele disse que é bom o Estado ser laico, pois as pessoas têm liberdade para se expressar e que a política é para se construir um Estado melhor. Falando sobre salvação, disse que o conceito de salvação da igreja católica é lindo e verdadeiro, porém é entendido de uma forma reducionista, assim, é necessário superar o entendimento desse conceito. Salvação é dom, acréscimo, abundância. É um processo que se constrói, a pessoa se salva todos os dias, pois vai se realizando. Citando uma frase de Santo Irineu: “A glória de Deus é o homem vivo”, disse que a política precisa ser salva e que para isso acontecer é necessário um salvador. E falou uma frase do padre Jordan: “Ora, a vida eterna é esta: que eles te conheçam a Ti, o único Deus verdadeiro e àquele que enviaste, Jesus Cristo”. Disse que é preciso conhecer o Jesus Cristo do Evangelho e seu perfil de Salvador: pobre e conviveu com os pobres; Filho do homem; Servo sofredor; tem um amor filial e uma relação de intimidade com o Pai; Homem da compaixão; Curador da vida; Defensor dos últimos; Profeta do Reino de Deus. Continuou dizendo que Reino de Deus é um projeto político e Jesus é o anunciador deste Reino.

Em seguida houve a formação de grupos para refletir e partilhar sobre duas questões: Como podemos entrar nesta dinâmica de Jesus? Como viver nossa experiência de fé e política como mística do Reino de Deus?  Após reflexão em grupos e já concluindo o encontro ele  definiu espiritualidade, como sendo a vida segundo o Espírito de Jesus Cristo e que as Fontes da Fé são: a Palavra de Deus; os Sacramentos; a vida na Igreja; os Documentos da Igreja e o rosto do irmão. E, que as Fontes da Política, iluminadas pela Fé, são: conhecer as ideologias partidárias; informação e formação mais acessível; avaliar os projetos sociais existentes; estar inserido de modo concreto na política. Por ultimo citando uma frase: “O cristão de amanhã, ou será místico ou não será cristão” e conceituou mística como sendo a participação livre do seguimento de Jesus Cristo em todas as suas implicações”.  Em seguida agradeceu a todos pela atenção  e convidou-os a proclamarem o Magnificat. Encerrando o encontro a coordenadora da Pastoral, Dolaine Coimbra convidou a todos para a formação para os pré-candidatos a vereador no dia 22 de junho, na OAB Jundiaí e para outra com todos os candidatos a prefeito, vice, vereadores e demais agentes políticos, das 11 cidades da área da Diocese de Jundiaí, no dia 21 de julho, na Cúria Diocesana.

 

 

FONTE: Pastoral Fé e Política de Várzea Paulista (SP)

 

Reinaldo Oliveira

Reinaldo Oliveira
Reinaldo de Oliveira é jornalista, membro da Pastoral Fé e Política de Jundiaí e colaborador da Pastoral Fé e Política da Arquidiocese de São Paulo. Para falar com Reinaldo de Oliveira utilize nosso formulário de contato.