PASTORAL FÉ E POLÍTICA

Arquidiocese de São Paulo

ptarzh-CNenfrdehiitjarues

Temos 45 visitantes e Nenhum membro online

Natal do Ano da Fé

Nesta reflexão que antecede o Natal quero neste Ano de Fé refletir com você sobre esse pilar da nossa fé que é o Santo Natal. O Catecismo da Igreja Católica (CIC) nos apresenta o menino Jesus que nasceu na humildade de um estábulo, em uma família pobre; as primeiras testemunhas do evento são simples pastores e é assim que se manifesta a glória do Céu (525). O que Deus quer nos mostrar com tão grande evento e tanta simplicidade?

Deus assumiu um corpo (encarnou-se) e dignou-se nascer de uma Virgem; e nos doou sua própria divindade! Mas e qual é a nossa parte? Jesus nos ensinou que "Tornar-se criança" é a condição para entrar no Reino; para isso é preciso humilhar-se, tornar-se pequeno; mais ainda: é preciso "nascer do alto" (Jo 3,7), "nascer de Deus" para tornar-nos filhos de Deus. O mistério do Natal realiza-se em nós quando Cristo "toma forma" em nós (CIC 526) e quando vivemos como irmãos.

logo-cebiO Centro de Estudo Bíblicos (CEBI) nos ajuda a atualizar o Natal indicando que se estivesse nascendo agora, pela sua conhecida pobreza, José e Maria procurariam a emergência de um hospital do SUS e ouviriam da atendente: "Lamentamos, mas não temos vaga, vocês terão de procurar outro hospital, não temos um leito, sequer, disponível, nem médicos e enfermeiras suficientes para tanta gente". Batem então à porta dos locais por onde passam e veem pessoas comprando nos shoppings, enfeites belos e iluminados, brindes e comemorações diversas e também celebrações, mas em nenhum desses lugares são acolhidos.

Seguem então para o outro lado da avenida e se deparam com uma favela parcialmente destruída por recente incêndio. Denunciados pelo latido dos cachorros um casal tão pobre como os recém chegados, pede para eles entrarem imediatamente, pois perceberam a urgência e dizem: "Podem entrar, a casa é sua". Maria, com muita dificuldade consegue se deitar num acolchoado velho no chão, a cama do casal. Três crianças, duas meninas e um menino, dormem profundamente, recolhidas em outro acolchoado.

logo-ano-da-feS. Antonio vai pedir ajuda enquanto Joana ferve água para escaldar uma faca de cozinha. Alice, a vizinha amiga responde imediatamente ao pedido e traz um lençol surpreendentemente limpo. Logo em seguida ouve-se o choro do pequeno que se livrou do ventre materno, separado pela faca de Dona Joana. Um choro alto e forte, de quem sorve o primeiro ar e reclama a primeira mamada.

A alegria é de todos, os demais moradores da favela, vem saudar o menino e se oferecem para ajudar e partilham vestes para o recém-nascido. A solidariedade amorosa, feita de palavras e gestos, todos querendo repartir o pouco que tem com o casal de migrantes que festeja a chegada do primeiro filho.

A realidade atual não nos deixa duvidar de que, hoje como ontem, são milhares as crianças que nascem nas condições miseráveis nas quais nasceu o Menino Jesus, e são os adultos sem-terra, sem-teto, moradores de rua que morrem por defender a mesma Justiça que Ele defendeu. Precisamos estar atentos para não darmos preferência às coisas, às mercadorias, aos símbolos do consumo, do que às pessoas, aquelas que conosco vivem, especialmente as que, como o Menino Jesus, são necessitadas e pobres.

Há um poder que usa de força e repressão como vimos no com os sem-terra do Pinheirinho no início deste ano, a constante criminalização e ações de higienização para tirar da cidade esse povo pobre, e também perseguição àqueles que os defendem, como vemos atualmente as ameaças à D. Pedro Casaldáliga entre outros que estão sendo ameaçados e também assassinados.

O natal nos convida a partilhar o que temos, não aquilo que sobra e a sermos solidários com o sofrimento e as necessidades daqueles ao nosso redor e se possível servi-los enxugando-lhe os pés, envolvendo-se em ações que vão promover a dignidade e a vida.

 

Fonte: O artigo nos foi enviado diretamente pela autora, tendo sido primeiramente veiculado pela Rádio 9 de Julho (1.600 KHz, SP)

Márcia M. de Castro

Márcia M. de Castro
Márcia Mathias de Castro é fonoaudióloga, membro da Pastoral Fé e Política da Arquidiocese de São Paulo e Coordenadora da Escola de Fé e Política Waldemar Rossi (RE Belém). Também é colaboradora da Rádio 9 de Julho (AM 1.600 KHz - SP), participou da Escola de Governo e do Movimento de Integração Campo Cidade (MICC).