PASTORAL FÉ E POLÍTICA

Arquidiocese de São Paulo

ptarzh-CNenfrdehiitjarues

Temos 113 visitantes e Nenhum membro online

Leitura Orante da Bíblia e as Eleições

Este artigo é composto de duas partes que foram apresentadas em dias diferentes (dias 6 e 7 de agosto de 2012) na Rádio 9 de Julho, programa Ciranda da Comunidade, mas que aqui estão juntas para facilidade de leitura e de comprenção por parte de nosso leitor. A primeira parte foi ao ar no dia 6 de agosto, e a segunda parte foi ao ar no dia 7 de agosto.

1º Parte

O CEBI, Centro de Estudos Bíblicos, tem um subsídio sobre as eleições intitulado: “Não será assim entre vós! Política e ética nas eleições”, de autoria de Nilceia de Souza, Mercedes Hoppe, Judith Haddad e Nancy Cardoso. Nessas próximas semanas quero compartilhar os 4 temas propostos e comentados nessa cartilha para que possamos nos conscientizar sobre em quem votaremos na próxima eleição.

Lembrando sempre que vocês podem multiplicar esses temas transformando-os em encontros em suas paróquias, comunidades, movimentos, associações ou até mesmo em suas famílias. Nos encontros é importante que seja feita uma boa acolhida e ao iniciá-los, façam uma introdução, situando as pessoas sobre o assunto que será comentado e assim como fizemos na Leitura Orante da Bíblia, iniciem sempre invocando o Espírito Santo.

A seguir vocês podem escolher um canto apropriado para o momento; o sugerido pela cartilha é “Povo Novo” de Zé Vicente. Vou ler aqui apenas a primeira estrofe e o refrão:

Quando o Espírito de Deus soprou, o mundo inteiro se iluminou.
A esperança da terra brotou, e um povo novo deu-se as mãos e caminhou!
Lutar e crer, vencer a dor, louvar o Criador.
Justiça e paz hão de reinar. E viva o amor!

A leitura da Bíblia que iremos fazer é do livro do Êxodo 18,13-24.

sogro-moisesE aconteceu que, no outro dia, Moisés assentou-se para julgar o povo; e o povo estava em pé diante de Moisés desde a manhã até a tarde. Vendo, pois, o sogro de Moisés tudo o que ele fazia ao povo, disse: Que é isto, que tu fazes ao povo? Por que te assentas só, e todo o povo está em pé diante de ti, desde a manhã até a tarde?

Então disse Moisés a seu sogro: é porque este povo vem a mim, para consultar a Deus; Quando tem algum negócio vem a mim, para que eu julgue entre um e outro e lhes declare os estatutos de Deus e as suas leis.

O sogro de Moisés, porém, lhe disse: Não é bom o que fazes. Totalmente desfalecerás, assim tu como este povo que está contigo; porque este negócio é muito difícil para ti; tu só não o podes fazer.

Ouve agora minha voz, eu te aconselharei, e Deus será contigo. Sê tu pelo povo diante de Deus, e leva tu as causas a Deus; E declara-lhes os estatutos e as leis, e faze-lhes saber o caminho em que devem andar, e a obra que devem fazer.

E tu dentre todo o povo procura homens capazes, tementes a Deus, homens de verdade, que odeiem a avareza; e põe-nos sobre eles por maiorias de mil, maiorias de cem, maiorias de cinquenta, e maiorias de dez. Para que julguem este povo em todo o tempo; e seja que todo o negócio grave tragam a ti, mas todo o negócio pequeno eles o julguem; assim a ti mesmo te aliviarás da carga, e eles a levarão contigo.

Se isto fizeres, e Deus to mandar, poderás então subsistir; assim também todo este povo em paz irá ao seu lugar. Moisés deu ouvidos à voz de seu sogro, e fez tudo quanto tinha dito.”

Palavra do Senhor.

 
2º Parte

Ontem fizemos a leitura do livro do Êxodo 18,13-24.

Hoje iremos comentar a respeito do texto, conforme o subsídio do CEBI sobre as eleições intitulado: “Não será assim entre vós! Política e ética nas eleições”.

Primeiramente Jetro, que é sogro de Moisés, estranha a situação ao ver todo o povo sendo julgado por Moisés; o texto ainda detalha que enquanto Moisés está sentado só, todo o povo está em pé.

Quando a gente vê um texto assim até se pergunta onde, na história, aconteceu o progresso, a civilização. Porque se em 1400 a.C, data aproximada em que o Êxodo foi escrito, o povo já passava o dia em filas longas à mercê de um poder centralizador, o quê foi feito ao longo desses 3.400 anos?

Acho que essa é uma boa pergunta para fazermos para nossos candidatos e candidatas à prefeitura de São Paulo. O que vocês acham? E vejam mais uma vez a coincidência, somente Jetro se dá conta disso. Quantas pessoas que vivem essa situação hoje em dia percebem que tem alguma coisa de errado e age para mudar ou pelo menos para propor mudanças?

Na resposta de Moisés podemos perceber talvez, uma falha em sua liderança, já que ele também acha que é normal que apenas ele julgue os problemas do povo mediante as leis de Deus. Na dúvida, no atrito entre pensamentos opostos aquele povo procurava por sua intercessão, já que “Deus tinha lhe dado o poder”.

Jetro então insiste que aquele situação não era certa e garante-lhe que Deus estará com Moisés, ao fazer o que ele iria propor. Uma vez declarado os estatutos e as leis, uma vez que esse conhecimento fosse entregue ao povo, Moisés poderia escolher homens retos, eficientes, éticos e sem ganância para julgar os assuntos com ele, sendo que Moisés ficaria apenas com os problemas mais graves.

A forma de descentralização do poder, meus irmãos e minhas irmãs, é um dos pontos importante que devemos fazer para analisar em qual candidato ou candidata iremos votar.

Vejam bem, o atual prefeito indicou 30 subprefeitos que são militares. Independentemente de suas competências, não parece estranho termos esse corporativismo nas administrações das subprefeituras?

Pensem então, em quem são as pessoas que vamos eleger. É famoso o ditado: “Diga-me com quem andas e eu te direi quem és.” Já nos prevenia a Marta nas eleições passadas, que o Kassab era companheiro do ex-prefeito Celso Pita.

Quem serão os eleitos, os indicados pelo prefeito, ou até mesmo pelos vereadores... é isso mesmo, conforme artigo publicado na página da Escola de Governo alguns vereadores só irão apoiar os projetos do prefeito se em troca este nomear “algum indicado de algum vereador.”

Dessa forma, as subprefeituras se transformam em verdadeiros feudos. Se não é o subprefeito diretamente o indicado, os principais assessores são de algum vereador. E esta garantia é fundamental para o subprefeito assumir ou permanecer no cargo. Caso não tope, no caso atual, pegue seu quepe e vá embora.”

Com essa base que passamos já é possível iniciar um debate entre os participantes do seu grupo de Fé e Política. Se precisarem de mais informações, ou de mais fontes para poderem explicar o tema, mandem um e-mail para Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo. . Lembro finalmente, que no próximo sábado, dia 11/08 haverá a reunião da Pastoral Fé e Política a partir das 9h30 na Paróquia Santana, próximo à estação Santana.


 

 logo-cebi

 


 

FONTE: O artigo de Marília Amaral nos foi enviado diretamente pela autora, tendo sido primeiramente veiculado pela Rádio 9 de Julho nos dias 6 e 7 de agosto de 2012. Sua reprodução é autorizada pela Rádio 9 de Julho.

 

NOTA: O livro citado pode ser encontrado no site do CEBI.

 

 

Marília Amaral

Marília Amaral
Marília Amaral é integrante da Pastoral Fé e Política da Arquidiocese de São Paulo e também apresenta comentários sobre Fé e Política na Rádio 9 de Julho (AM 1.600 KHz/SP). Para falar com Marília Amaral utilize nosso formulário de contato.