PASTORAL FÉ E POLÍTICA

Arquidiocese de São Paulo

ptarzh-CNenfrdehiitjarues

Temos 24 visitantes e Nenhum membro online

Bento e o Papa Bento XVI

Hoje é dia de São Bento. São Bento de Núrsia foi um monge italiano, fundador da Ordem dos Beneditinos, que até hoje é uma das maiores ordens monásticas do mundo. Foi o criador também da "Regra de São Bento", um dos regulamentos mais importantes e utilizados de vida monástica existentes e inspiração de muitas outras comunidades religiosas. Foi designado santo padroeiro da Europa e um grande intercessor pelo Papa Paulo VI em 1964, sendo venerado não apenas por católicos, como também por ortodoxos. Foi o fundador da Abadia do Monte Cassino, na Itália. Segundo São Gregório, São Bento foi filho de um nobre romano.

sao-bentoApesar de ter iniciado seus estudos na região de Núrsia, foi para Roma alguns anos depois estudar retórica e filosofia, porém ele se decepcionou com a decadência moral da cidade, e por isso abandonou a capital e se retirou para Enfide (atual Affile). Ajudado por um abade da região, São Bento instalou-se em uma gruta de difícil acesso, a fim de viver como eremita. Depois de três anos nesse lugar, dedicando-se à oração e ao sacrifício, foi descoberto por alguns pastores, que divulgaram sua fama de santidade.

A partir de então, ele foi visitado constantemente por pessoas que buscavam conselhos e direção espiritual. Por isso foi eleito abade de um mosteiro em Vicovaro, no norte da Itália. Por causa do regime de vida exigente, os monges tentaram envenená-lo, mas, no momento em que dava a bênção sobre o alimento, saiu da taça que continha o vinho envenenado uma serpente e o cálice se fez em pedaços. Com isso, São Bento resolveu deixar a comunidade e voltou para a caverna onde fundou vários mosteiros. Em 529, por causa da inveja de um sacerdote da região, se mudou para Monte Cassino, onde fundou o mosteiro que viria a ser o fundamento da expansão da Ordem Beneditina.

As representações de São Bento geralmente mostram, junto com o santo, o livro da Regra, um cálice quebrado e um corvo com um pão na boca, em memória ao pão envenenado que recebeu de um sacerdote invejoso. São Gregório conta que, por sua ordem, o corvo levou o pão até onde ninguém o encontrasse.
Bento foi o nome escolhido pelo Cardeal Ratzinger para motivar seu pontificado de Papa, já que a escolha do nome do papa é feita pelo próprio cardeal, por motivos pessoais, históricos e para como já disse para marcar o sentido de seu pontificado.

No caso do papa Bento XVI, a escolha de seu nome é uma provável homenagem ao último papa que adotou o nome Bento, que foi o italiano Giacomo della Chiesa, entre 1914 e 1922. Conhecido como o "Papa da paz", Bento XV tentou, sem sucesso, negociar a paz durante a Primeira Guerra Mundial. O seu pontificado foi marcado por uma reforma administrativa da igreja, possuindo um caráter de abertura e de diálogo. Além disso, Bento XVI sempre foi muito ligado espiritualmente ao mosteiro da beneditino de Schotten, perto de Ratisbona, na Baviera.

bento-xvAlguns analistas, como dom Antônio Celso de Queirós, na época vice-presidente da CNBB, relacionaram a adoção do nome Bento com a atuação de São Bento de Núrsia (480-547), fundador da Ordem Beneditina e padroeiro da Europa, o que o próprio papa confirmou após a publicação das explicações sobre seu brasão. Após as invasões bárbaras, os mosteiros de São Bento foram responsáveis pela manutenção da cultura latina e grega e pela evangelização da Europa. A escolha do nome deste Santo representaria, portanto, que uma das prioridades do papado de Bento XVI será a "recristianização da Europa". Escolheu como lema episcopal: «Colaborador da verdade»; assim disse o papa: «Parecia-me, por um lado, encontrar nele a ligação entre a tarefa anterior de professor e a minha nova missão; o que estava em jogo, e continua a estar – embora com modalidades diferentes –, é seguir a verdade, estar ao seu serviço. E, por outro, escolhi este lema porque, no mundo actual, omite-se quase totalmente o tema da verdade, parecendo algo demasiado grande para o homem; e, todavia, tudo se desmorona se falta a verdade».

Ontem, na liturgia, ouvimos a Parábola do Semeador. Que a exemplo dos beneditinos e do próprio Papa Bento XVI não nos limitemos em lançar sementes da Verdade e da Conversão para que a Palavra de Deus possa produzir frutos em abundância.


 

FONTE: O artigo de Marília Amaral nos foi enviado diretamente pela autora, tendo sido primeiramente veiculado pela Rádio 9 de Julho no dia 11 de julho de 2011. Sua reprodução é autorizada pela Rádio 9 de Julho.

 

 

 

Marília Amaral

Marília Amaral
Marília Amaral é integrante da Pastoral Fé e Política da Arquidiocese de São Paulo e também apresenta comentários sobre Fé e Política na Rádio 9 de Julho (AM 1.600 KHz/SP). Para falar com Marília Amaral utilize nosso formulário de contato.