PASTORAL FÉ E POLÍTICA

Arquidiocese de São Paulo

ptarzh-CNenfrdehiitjarues

Temos 137 visitantes e Nenhum membro online

Dia Internacional da Mulher

Este dia tem sua origem nas manifestações das operarias têxteis russas contra as más condições de trabalho, a fome e a participação da Rússia na Primeira Guerra Mundial, ocorridas no dia 8 de março de 1917 e que acabaram iniciando a Revolução Russa.


alexandra-kollontaiQuem nos narra o evento é Leon Trotsky: "Em 23 de fevereiro (8 de março no calendário gregoriano) estavam planejadas ações revolucionárias. Pela manhã, a despeito das diretivas, as operárias têxteis deixaram o trabalho de várias fábricas e enviaram delegadas para solicitarem sustentação da greve. Todas saíram às ruas e a greve foi de massas. Mas não imaginávamos que este ‘dia das mulheres’ viria a inaugurar a revolução."

Até então, o dia da mulher era celebrado a 25 de março em memória às 146 operárias americanas mortas no incêndio da fábrica Triangle Shirtwaist em 1911 (trabalhavam em péssimas condições de segurança e estavam trancadas dentro da fábrica no momento do incêndio).

Foi Alexandra Kollontai que sugeriu a Lenin a instituição do dia 8 de março como Dia Nacional da Mulher, e em 1977 a data foi declarada como Dia Internacional da Mulher pela ONU. Atualmente este dia está perdendo seu sentido original e adquirindo um caráter mais festivo e comercial.

 

 

FONTE: Wikipédia.

Paulo J. Lopes

Paulo J. Lopes
Paulo J. Lopes é membro da Pastoral Fé e Política da Arquidiocese de São Paulo. Para falar com Paulo J. Lopes, utilize nosso formulário de contato.