PASTORAL FÉ E POLÍTICA

Arquidiocese de São Paulo

ptarzh-CNenfrdehiitjarues

Temos 3971 visitantes e Nenhum membro online

O que Eu Ganho com Isso?

Quando abordamos a questão da ética no cenário político, normalmente as pessoas esperam que a abordagem seja simplesmente sobre o estado, nós “os mandatários” e aqueles que lidam com a máquina pública. Sem dúvida alguma, a imagem dos políticos vem se desgastando junto à população ao longo do tempo. E isso faz com que o centro dessa discussão se prenda no papel vergonhoso que alguns dos meus colegas mandatários desempenham no cenário político brasileiro (é bom frisar que são apenas alguns, pois existem bons mandatários e isso precisa ser dito). Mas não podemos nos restringir apenas ao mandatário.

Existem outros aspectos importantes que envolvem esse tema e que merecem a nossa atenção.

politico-01Não existe corrupção sem a figura do corruptor, pois se há alguém cometendo o crime de compra de votos é por que existe outro alguém o vendendo. É oportuno lembrar que a frase que intitula o nosso artigo desse mês representa um grave pecado social, pois caracteriza exatamente essa relação nefasta e inescrupulosa que tanto estraga a política. Vender o voto é um crime tão grave como comprá-lo. Além disso, essas práticas ofendem a Deus e ao projeto de Construção do seu Reino de amor e Justiça.

Sob o ponto de vista ético, podemos abordar dois cenários bastante claros de atuação do leigo engajado na caminhada de Igreja: o mandatário e o eleitor. Ambos com igual responsabilidade no desempenho de suas funções. O primeiro, onde eu me encontro atuando hoje, precisa antes de qualquer coisa entender que o seu papel é a busca constante pelo bem comum. E sob este aspecto, faz-se necessário lembrar que o bem estar do coletivo deve ser prioridade e sobrepujar o interesse pessoal. É inadmissível, sob o ponto de vista ético-cristão, que o comportamento de um mandatário não esteja em sintonia com essa visão, muito bem destacada no documento da CNBB: "Ética: Pessoa e Sociedade" onde fica claro que todo o mandato e a ação de um mandatário é público. E no mais correto entendimento deste termo, o que é público, tem que ser de todos. Se não fosse assim, não seria chamado de "público" e sim de privado. Ainda dentro da necessidade ética do mandatário, é necessário romper o laço que une a política aos negócios. O processo político democrático administra o "negócio" de todo o povo e não os negócios privados, segundo o viés patrimonialista do estado brasileiro. Enquanto a força do poder econômico determinar a política, através do financiamento privado de campanhas, "lobbies", mandatos que são utilizados para “angariar clientes” para os escritórios ou consultorias desse ou daquele mandatário, mandatos utilizados para servir a interesses de empresas privadas e etc., a política será fonte de corrupção, injustiça e instabilidade social.

O outro ponto importante da atuação do leigo católico é o de “eleitor”. A relação dele com o voto precisa ser regida pelos princípios éticos. É incompatível e inaceitável que um eleitor ainda "venda" o seu voto, e o que é pior, convença a outras pessoas a votarem em "tal candidato" por interesses próprios.

Promessas de empregos, benefícios oriundos de transações "inescrupulosas" bem como vantagens em determinadas ações do mandatário são incompatíveis com o comportamento ético-cristão. Temos em nossas mãos uma grande arma e que precisa ser tratada com seriedade e em benefício do bem-comum: o voto. Precisamos respaldar a nossa conduta política na ética cristã, pois a política é, por essência, ética, já que se refere sempre à liberdade e, essencialmente, à justiça. Aliás, recorro-me a Santo Agostinho, que muito oportunamente, declarou: "Removida a justiça, o que são os reinos senão um bando de ladrões?".

Não existe corrupção sem a figura do corruptor, pois se há alguém cometendo o crime de compra de votos é por que existe outro alguém o vendendo. É oportuno lembrar que a frase que intitula o nosso artigo desse mês representa um grave pecado social, pois caracteriza exatamente essa relação nefasta e inescrupulosa que tanto estraga a política. Vender o voto é um crime tão grave como comprá-lo. Além disso, essas práticas ofendem a Deus e ao projeto de Construção do seu Reino de amor e Justiça.

Um grande abraço, a Paz de Cristo e vamos colocar sempre o “Bem Comum acima de tudo”.

 

 

FONTE: Texto reproduzido a partir de seu original divulgado pela Paróquia N. Senhora de Loreto (RJ), com a autorização do autor.

 

CONTATE O AUTOR:

O Prof. Robson Leite pode ser contatado pela Paróquia N. Senhora de Loreto, pelo seu site ou pelo eMail Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo. . Conheça mais o livro "Fé e Política se Misturam?" do Prof. Robson Leite visitando o site Missão Jovem

Robson Campos Leite é escritor, professor universitário, político, palestrante, comentarista do programa “Juventude em Ação” e debatedor do programa “Vox Populi Jovem”, além de assessor de movimentos sociais. Escreve as colunas “Fé e Política”, do jornal "O Mensageiro" da P. N. S. de Loreto, e “Construindo Cidadania”, do jornal católico Missão Jovem, colaborando também em diversos sites católicos. Recentemente foi eleito Deputado Estadual pelo Rio de Janeiro.

Seleções PFP ASP

Seleções da PFP ASP
Textos selecionados pelos membros e colaboradores da Pastoral Fé e Política da Arquidiocese de São Paulo, com temáticas e autores variados. Para qualquer crítica ou sugestão, fale conosco por meio de nosso formulário de contato.