PASTORAL FÉ E POLÍTICA

Arquidiocese de São Paulo

ptarzh-CNenfrdehiitjarues

Temos 47 visitantes e Nenhum membro online

Arquidiocese de S. Paulo e as Eleições 2012

A Arquidiocese de São Paulo divulgou nessa quarta feira, 15 de agosto de 2012, uma nota orientativa aos fieis com relação as eleições de outubro / novembro. Esta nota não cita candidados ou partidos, mas apresenta critérios a serem seguidos para a escolha dos mesmos - como conferir se o mesmo é "Ficha Limpa". Os 10 pontos levantados nessa nota podem ser seguidos não apenas pelos fieis da Arquidiocese de São Paulo, mas por todos aqueles que desejam melhorar a qualidade de nossa política. Conheça esta carta na íntegra:

O Arcebispo de São Paulo, com os Bispos Auxiliares desta Arquidiocese, no cumprimento de sua missão pastoral, apresentam as seguintes orientações aos seus fiéis, em vista da participação nas eleições municipais deste ano:

 

1. Participe e vote. Não deixe de seguir a campanha para as eleições municipais e de exercer bem o seu direito e dever cidadão. Valorize seu voto, que ajudará a definir o futuro do município de São Paulo. Evite o voto nulo ou branco.

2. Vote em quem você conhece. Procure conhecer os candidatos, verifique se estão comprometidos com as grandes questões que requerem ações decididas do Poder Legislativo e Executivo municipal, como: habitação, educação, saúde, segurança, transporte, cuidado do meio ambiente, limpeza pública, saneamento básico, atenção especial aos pobres e às camadas sociais mais vulneráveis da cidade.

3. Prefeito e vereadores devem promover o bem comum. Veja se os candidatos e seus partidos estão comprometidos com a justiça e a solidariedade social, a dignidade da pessoa, os direitos humanos, a cultura da paz e o respeito pleno pela vida humana desde a concepção até à morte natural. Estes valores são fundamentais e irrenunciáveis para o convívio social.

voto-b34. Candidato de quem? Avalie se os candidatos têm propostas realistas e viáveis para promover políticas que beneficiem a cidade como um todo, ou se estão ligados mais ao interesse de grupos específicos. O bom governante deve governar para todos.

5. Confira a ficha. Dê seu voto de forma consciente e não decida apenas na última hora. Não dê seu voto a quem já esteve envolvido em casos de desonestidade e corrupção, mas somente a candidatos com “ficha limpa”. A corrupção na política pode ser superada também com o seu voto.

6. Não venda o voto, nem o troque por favores; seu voto é sua dignidade. Fique atento a toda prática de corrupção eleitoral, à compra de votos, ao abuso do poder econômico e ao uso indevido da máquina administrativa pública na campanha eleitoral. Fatos como esses devem ser denunciados imediatamente, com testemunhas, às Autoridades da Justiça Eleitoral.

7. Vote com consciência e liberdade. Procure conhecer as idéias e propostas defendidas pelos candidatos e pelos partidos aos quais estão filiados e seu vínculo com as comunidades locais. Vote em candidatos dignos, capazes, com credibilidade pública e que estejam em sintonia com suas próprias convicções.

8. Questione se os candidatos estão dispostos a legislar e administrar de forma transparente, aceitando mecanismos de controle por parte da sociedade. Candidatos com um histórico de corrupção ou má gestão dos recursos públicos não devem receber seu apoio nas eleições.

9. Política, Religião e família. Vote em candidatos que respeitem a liberdade de consciência, as convicções religiosas e morais dos cidadãos, seus símbolos religiosos e a livre manifestação de sua fé; da mesma forma, apóie candidatos que amparem a família e a protejam diante das ameaças à sua identidade e missão natural. A cidade que descuida ou abandona a família herdará muitos problemas.

10. Fique de olho: votar é importante, mas ainda não é tudo. Acompanhe, depois das eleições, as ações e decisões políticas, legislativas e administrativas dos governantes municipais, para cobrar deles coerência em relação às promessas de campanha e para apoiar suas decisões acertadas.


São Paulo, 15 de agosto de 2012

Cardeal Dom Odilo P. Scherer
Arcebispo de São Paulo

e os Bispos Auxiliares de São Paulo

 

Fonte: Arquidiocese de São Paulo, divulgação.

Paulo J. Lopes

Paulo J. Lopes
Paulo J. Lopes é membro da Pastoral Fé e Política da Arquidiocese de São Paulo. Para falar com Paulo J. Lopes, utilize nosso formulário de contato.