PASTORAL FÉ E POLÍTICA

Arquidiocese de São Paulo

ptarzh-CNenfrdehiitjarues

Temos 48 visitantes e Nenhum membro online

A Fé que Maria Possuía

Em outra oportunidade comentamos sobre a nossa fé em Maria. Hoje vamos conversar um pouco a respeito da fé que Maria possuía e como essa fé nos influencia, principalmente nas questões políticas. Tomemos, novamente, o Evangelho da Visitação, mais especificamente, no Magnificat.

maria-01Maria afirma que sua alma proclama a grandeza do Senhor, seu espírito se alegra em Deus, porque olhou para a humilhação de sua serva.

Lendo atentamente este texto, e fazendo uma releitura do mesmo, podemos imaginar quantas pessoas não se encontram nessa situação de humilhação, da mesma forma que Maria. E quão difícil é alguém olhar para essa humilhação, mas não com olhos acusadores como a sociedade costuma fazer, e sim com tamanha misericórdia, a ponto de ter-se como nosso Salvador aquele que socorreu, a ponto de sentir a alma exultar de alegria.

Vejam, o trabalho assistencialista que algumas pastorais limitam-se a fazer – não por má vontade, mas porque é tudo que lhes foi ensinado e solicitado – tal tarefa pode por vezes saciar a fome, agora na Campanha do Agasalho, então: são várias empresas, pessoas, grupos se mobilizando em arrecadar agasalhos, sem conseguir aquecer a alma daqueles a quem agasalhamos fazendo com que eles proclamem a grandeza de Deus.

Fizemos essa leitura na Reunião da Pastoral que aconteceu no sábado passado, e uma frase que me chamou muito a atenção foi: “derruba do trono os poderosos e eleva os humildes”.

E sabe porque é tão difícil alcançar a alma daqueles a quem ajudamos? Porque eles não conseguirão se elevar enquanto não derrubarmos os poderosos de seus tronos. E cito aqui todos aqueles que colaboram para que as desigualdades sociais se perpetuem, não só aqueles que o fazem de maneira direta, como é o caso das classes e dos grupos dominantes. Malcolm X já nos alertava: “Se você não for cuidadoso, os jornais farão você odiar as pessoas que estão sendo oprimidas, e amar as pessoas que estão oprimindo”.

E derrubar do trono os poderosos não é para ser feito à força, mas com muita estratégia. Devemos formar nossos jovens, nossas pastorais, para que pessoas honestas, de fé, discípulas e missionárias de Cristo, se engajem em todos os poderes, em todos os cargos eletivos, quer sejam juízes de direito, promotores, advogados, parlamentares, governantes.

Já adianto que essa mudança não será de uma hora para outra. Maria teve que permanecer com Isabel três meses, servindo, para entender o projeto de Deus.

Depois ela ainda criou seu Filho, o acompanhou durante toda a sua missão até a hora da cruz. Mas sua fé lhe mostrava que a morte não derrotara Jesus, por isso mesmo ela permaneceu na sua comunidade.

Para derrubar do trono os poderosos é preciso saber de onde viemos, para que viemos e para onde iremos. É preciso estar em comunidade para não vacilar na fé e para saber qual é a vontade, quais são as necessidades da comunidade.

Que Maria esteja conosco para juntos exultarmos de alegria, quando o Reino de Deus vier.

  

Fonte: O artigo nos foi enviado diretamente pela autora, tendo sido primeiramente veiculado pela Rádio 9 de Julho (1.600 KHz, SP)

 

Marília Amaral

Marília Amaral
Marília Amaral é integrante da Pastoral Fé e Política da Arquidiocese de São Paulo e também apresenta comentários sobre Fé e Política na Rádio 9 de Julho (AM 1.600 KHz/SP). Para falar com Marília Amaral utilize nosso formulário de contato.