PASTORAL FÉ E POLÍTICA

Arquidiocese de São Paulo

ptarzh-CNenfrdehiitjarues

Temos 7 visitantes e Nenhum membro online

Missão Urgente: Qualificar a Câmara Municipal

A eleição vem aí! E certamente você está com dificuldade para escolher em quem votar para a Câmara Municipal. Você não está sozinho. Esta  dificuldade tem motivos diversos e entre eles destacamos:

  • A Câmara Municipal não tem, de forma regular,   programas que  a aproximem da população.
  • A propaganda dos partidos e coligações e as notícias transmitidas pelos meios de comunicação investem na divulgação dos candidatos a prefeito e os candidatos à Câmara Municipal ficam na sombra da eleição para o executivo.
  • O desencanto da população em relação à politica, aos políticos e aos partidos.
  • A cultura dominante na sociedade  que leva a população a reclamar de tudo e de todos, mas não fortalece atitudes de  reivindicação, de luta pelos direitos, de mobilização, de  participação nos conselhos, o interesse e o conhecimento pela ação politica.
  • O grande número de partidos e de candidatos que concorrem às eleições.
  • A complexidade das regras do processo eleitoral para a Câmara Municipal.
  • As frequentes mudanças nas regras eleitorais, impedindo o entendimento claro destas mesmas regras e de suas consequências.
  • Os eleitores não se sentem representados pelos vereadores eleitos.

Incentivando as comunidades a superar  a atitude de indiferença em relação à política, propondo que assumam uma atitude de cidadania ativa e colaborando, ao mesmo tempo, com critérios para a melhor escolha possível dos candidatos para estas eleições municipais,  dom Odilo e os bispos auxiliares lançaram um folheto com orientações para Votar Bem.

voto-b3Do folheto, com o patrocínio de editoras católicas, foram impressos 500 mil exemplares, a serem distribuídos pelas paróquias e comunidades.
Assim, cada cristão e cada cristã, neste mês de setembro,  terá duas tarefas políticas importantes:

A primeira será procurar o padre e se oferecer para organizar a distribuição dos folhetos em todas as missas e atividades paroquiais da semana, não esquecendo o momento dos avisos, durante o qual será destacada a responsabilidade em votar bem, colaborando assim para a  qualificação daqueles que irão assumir o Poder Executivo e o Poder Legislativo e governar a cidade pelos próximos quatro anos.

A segunda tarefa, para a qual todos e todas estão convocados, será reunir grupos, pequenos ou grandes,  para a leitura, reflexão e discussão conjunta do texto elaborado pelos bispos da arquidiocese de São Paulo. A partir desta reflexão, o grupo poderá se dedicar a fazer uma lista de melhores candidatos como orientação para aqueles que ainda estão com dificuldades nesta escolha.

Para a elaboração desta lista será preciso considerar sempre:

Não é uma lista pessoal ou de um partido: o objetivo é colaborar para a boa qualidade do legislativo; assim a lista deverá indicar bons candidatos, de diferentes partidos ou coligações.

Ao iniciar a lista, começar por escolher partidos e coligações: quais são os partidos que, apesar de todos os problemas, podem merecer nosso voto? São 30 partidos indicando candidatos para concorrer às eleições e vários destes partidos não tem realizações a favor da democracia, da ética e do bem da população. Assim, em primeiro lugar, para a elaboração de uma lista suprapartidária de candidatos, o grupo deverá conhecer e refletir sobre os partidos políticos, seus fundadores, sua história de participação na vida nacional, estadual e municipal.

Em seguida, dos partidos selecionados, o grupo irá verificar quais os candidatos puxadores de voto, isto é, aqueles de nomes mais conhecido, de número mais fácil de ser lembrado, os famosos, por atuarem no rádio ou TV., etc., merecem alguma confiança dos eleitores. Estes puxadores de voto provavelmente serão eleitos.

Para a elaboração da lista lembrar que os atuais vereadores também estão se candidatando; destes, que integram os partidos que o grupo selecionou, verificar quais merecem ser indicados e quais, pela sua história de vida e atuação parlamentar, não devem ser indicados.

Em seguida verificar quais os candidatos novos que estão se apresentando nas comunidades e no bairro respondendo, sempre, à pergunta: destes, quais o grupo acredita que merecem a confiança do eleitor? Neste momento, atenção com os candidatos laranja, indicados pelos partidos para angariar votos junto a amigos e familiares, mas sem nenhuma possibilidade de serem eleitos.

Finalizando, se possível compare o resultado do grupo com listas de outros grupos, verifique se há cortes ou ampliações e organize a divulgação das diversas listas nas comunidades e entre conhecidos.

A Arquidiocese de São Paulo e a Pastoral Fé e Política trabalham para qualificar a Câmara Municipal e a prefeitura orientando para uma escolha dos candidatos nas próximas eleições municipais a partir de critérios de ética, ação pela justiça e solidariedade e não indicam nem apoiam candidatos.

 

FONTE: Artigo enviado diretamente pela autora, tendo sido veiculado primeiramente na Rádio 9 de Julho no dia 4 de setembro de 2012. Reprodução autorizada.

Caci Amaral

Caci Amaral
Carmem Cecília de Souza Amaral é coordenadora da Pastoral Fé e Política da Arquidiocese de São Paulo, sendo também integrante da Rede Nossa São Paulo e do Movimento de Combate a Corrupção Eleitoral (MCCE/SP). Para falar com Caci Amaral, utilize nosso formulário de contato.